Arafat critica militantes palestinos

O gabinete do líder palestino Yasser Arafat emitiu hoje uma inusitada crítica pública aos militantes palestinos que atacam Israel, afirmando que eles violam um cessar-fogo e prejudicam os interesses de seu povo. Vários dias de intensos conflitos levaram ao fracasso uma trégua para o Oriente Médio, anunciada há 10 dias depois de muita pressão dos Estados Unidos. Nem Israel nem os palestinos reconhecem a culpa pelo fracasso. A declaração palestina de hoje tenta mostrar que Arafat continua apoiando o cessar-fogo. No entanto, Israel tem insistido para que Arafat prenda os militantes, um passo que o líder palestino tem se negado a dar. Em um sábado violento, um palestino foi morto a tiros por tropas israelenses na cidade de Hebron, na Cisjordânia. Segundo os militares israelenses, seus soldados atiraram em um homem armado depois de terem sido alvos de balas palestinas. Segundo testemunhas, cinco palestinos ficaram feridos em uma intensa troca de tiros, que incluiu fogo de tanques israelenses. O incidente ocorreu próximo a dois bairros palestinos onde veículos militares israelenses permanecem estacionados pelos segundo dia consecutivo, transformando esta na mais longa incursão israelense durante um ano de conflitos. Também hoje, tropas israelenses fortificaram suas posições em áreas tomadas ontem em Hebron, onde cerca de 500 colonos judeus vivem em meio a 130.000 palestinos. Os soldados israelenses entraram na cidade em resposta a uma série de ataques contra israelenses.

Agencia Estado,

06 Outubro 2001 | 15h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.