Arafat diz que mantém fé na paz; violência continua

O líder palestino, Yasser Arafat, afirmou hoje que permanece comprometido com a busca da paz com Israel, mas que o Estado judeu deve se retirar totalmente da Cisjordânia, Faixa de Gaza e o leste de Jerusalém. O discurso de Arafat, proferido durante a celebração do 13º aniversário da declaração de independência da Palestina, foi feito em meio a uma série de esforços por parte dos Estados Unidos para restabelecer o processo de paz ao mesmo tempo em que continuava a violência.Soldados israelenses, apoiados por tanques e escavadoras, invadiram um campo de refugiados em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, causando a morte de um palestino e ferindo 14, segundo a Sociedade do Crescente Vermelho. As Forças de Defesa de Israel informaram que a operação teve o objetivo de destruir instalações supostamente usadas no lançamento de morteiros e granadas contra alvos do Estado judeu.Segundo o Exército israelense, os palestinos alvejaram pelo menos 23 vezes, nos últimos meses, a colônia judaica de Neve Dekalim e postos das Forças de Defesa em Gush Katif. Testemunhas contaram que cerca de 30 casas foram destruídas ou danificadas durante a operação contra Khan Younis. As tropas israelenses também realizaram incursões no vilarejo de Shawawreh, perto da cidade de Belém, na Cisjordânia, e prenderam oito palestinos. Um palestino sofreu ferimentos leves durante a operação.O Exército apreendeu um morteiro, munição e granadas antes de se retirar. As incursões ocorreram apesar de repetidos pedidos americanos para que Israel permaneça fora do território controlado pelos palestinos. Em seu discurso transmitido por rádio e televisão, Arafat disse que a paz com Israel continua sendo sua estratégia e que aumentou sua esperança de declarar um Estado palestino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.