Arafat diz que não vai desarmar grupos extremistas

O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Yasser Arafat, disse nesta quinta-feira a um jornal israelense que o grupo extremista Jihad Islâmica está pronto para aceitar um cessar-fogo. Mas sobre a principal reivindicação do governo de Israel, o desmatelamento dos grupos extremistas, Arafat disse que nada pode fazer. Os repórteres do jornal Yediot Ahronot perguntaram ao líder palestino se ele iria ajudar a acabar com o que Israel chama de ?infra-estrutura terrorista?. Arafat respondeu que ?não há uma infra-estrutura. Há uma oposição que vocês (Israel) construíram e armaram... como temos que desarmá-los? Os seus atos assassinos não levam a uma retaliação??. O novo primeiro-ministro palestino Ahmed Korei disse que tão logo seu gabinete estaja formado, ele vai ?tentar convencer os israelenses a aceitar um cessar-fogo mútuo?. A proposta de Korei inclui a retomada do plano de paz batizado de Mapa do Caminho, que foi delineado por seu antecessor no cargo, Mahmoud Abbas, juntamente com o premier de Israel Ariel Sharon e o presidente dos EUA. Mas o ministro da defesa de Israel, Shaul Mofaz, disse que o governo do estado judeu não vai aceitar uma trégua sem medidas contra os grupos extremistas. ?Israel não fará concessões antes que o governo palestino prove com ações sua intenção de lidar séria e agressivamente com os grupos terroristas?, disse ontem Mofaz.

Agencia Estado,

18 Setembro 2003 | 12h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.