Arafat é acusado de desvio de doações para sua conta pessoal

Jawad Ghussein, um ex-tesoureiro da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) que fugiu para Londres na semana passada, acusou o líder Yasser Arafat de transferir milhões de dólares procedentes de doações internacionais para uma conta pessoal, segundo uma entrevista publicada hoje pelos jornais israelenses Haaretz e Yediot Ahronot. Ghussein, de 71 anos, afirma que Arafat costumava transferir cerca de US$ 8 milhões por mês para sua conta e estava a par da corrupção generalizada. Durante a entrevista, concedida em Londres, o ex-tesoureiro disse possuir documentos que comprovam as suas acusações, mas nenhum deles foi publicado pelos jornais. O ministro palestino da Informação, Yaser Abed Rabbo, negou as acusações e disse que Ghussein é "um ladrão, que roubou US$ 6,5 milhões da OLP". Segundo Rabbo, Ghussein estava cumprindo pena de prisão domiciliar acusado de roubo e conseguiu fugir depois de ter recebido autorização para sair e receber tratamento médico. As declarações de Ghussein surgem em um momento em que aumenta a pressão internacional sobre Arafat e a Autoridade Palestina para que implementem reformas. Sobre a administração de Arafat há chovido denúncias de corrupção, má administração, incompetência e terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.