Arafat e Bush condenam atentado em Jerusalém

O líder palestino Yasser Arafat condenou o atentado a bomba promovido pelo Hamas em Jerusalém, classificando-o de um ataque "terrorista" e dizendo que toda a violência tem de ser suspensa. Pelo menos 16 israelenses morreram no ataque a um ônibus, e mais de 70 ficaram feridos. Em Chicago, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, condenou também o atentado suicida e pediu a todas as nações que parem de fornecer assistência financeira a "terroristas, e isolem aqueles que odeiam tanto que são capazes de matar". Visivelmente irritado, Bush falou após a ação suicida em Jerusalém. Quando o presidente americano se manifestou, Israel já havia promovido uma retaliação, sob a forma de um ataque aéreo contra Gaza, mas o assunto não foi abordado."Peço um imediato cessar-fogo e a suspensão de todos ataques militares", disse Arafat, na Cisjordânia, lendo um comunicado. "Esse ciclo vazio tem de parar imediatamente?."Para as pessoas no mundo que desejam a paz no Oriente Médio, eu convoco todos vocês a combaterem o terror", disse Bush, por sua vez. Ele qualificou a ação extremista como "um terrível atentado em Jerusalém" e disse ter ficado claro que existem pessoas que odeiam a paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.