AP
AP

Arafat não foi envenenado, dizem peritos franceses após exumação

Resultados de exames indicam que líder palestino morreu de infecção generalizada

O Estado de S. Paulo,

03 de dezembro de 2013 | 14h49

PARIS- Os resultados de uma investigação encomendada pela Justiça francesa sobre a morte do líder palestino Yasser Arafat, em 2004, excluíram a possibilidade de que ele tenha sido envenenado, informou nesta segunda-feira a emissora "France Inter".

A análise, realizada após a investigação aberta pela Procuradoria de Nanterre sobre as suspeitas de envenenamento, aponta que Arafat foi morto por "uma infecção generalizada".

Outra pesquisa científica realizada na Suíça com base nos restos mortais do histórico dirigente estabeleceu, no início do mês passado, como possibilidade "mais coerente" a de que ele tenha morrido por envenenamento, embora não tenha tido resultados conclusivos.

As análises feitas na Suíça estabeleceram que havia altos níveis de polônio nas costelas e na pélvis de Arafat, assim como na terra sobre a qual seu corpo foi depositado.

Arafat começou a sofrer sintomas de um transtorno gastrointestinal em 12 de outubro de 2004 e, após uma série de complicações que agravaram seu estado, foi levado da Cisjordânia para o hospital militar de Paris, onde morreu em 11 de novembro desse mesmo ano.

Sua viúva, Suha Arafat, defende desde então que o antigo líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) foi envenenado por alguém de seu entorno.

Suha pediu a exumação de seu corpo em julho de 2012, depois que a "Al- Jazeera" exibiu uma reportagem sobre sua morte no qual se concluía que ele podia ter morrido envenenado com polônio 210, uma substância altamente radioativa encontrada em seus objetos pessoais. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Yasser Arafat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.