Arafat prepara lista de morte para israelenses

O líder palestino Yasser Arafat mandou que seus comandantes elaborem uma lista de israelenses de alto escalão a serem atacados como represália pela morte, na semana passada, de Abu Ali Mustafa, o veterano líder da Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP). Detalhes do plano vieram à baila enquanto outro palestino ocupante de alto cargo, Taiseer Khatab, era morto sábado em Gaza, ao que parece pelos israelenses. Fontes de segurança disseram que nos dois primeiros lugares da lista encomendada por Arafat figuram o general-de-brigada Shaul Mofaz, chefe do estado-maior israelense, e seu vice, general-de-brigada Moshe Yaalon, chefe da unidade israelense de comandos que assassinou o vice de Arafat, Abu Jihad, na sua casa em Túnis, em abril de 1988. Outro nome de destaque na lista é Abraham Dichter, chefe do Shin Bet, o serviço de espionagem nacional de Israel. Mais de 50 ativistas palestinos foram mortos em ataques dos israelenses desde que a intifada (levante) irrompeu 11 meses atrás; Israel está diretamente implicado em 30 das mortes. "O assassinato de Abu Ali Mustafa foi o limite que os israelenses não deviam ter atravessado", disse um membro fundador de seu grupo. Acredita-se que Yaalon foi o autor intelectual do ataque, no qual um colega de Mustafa parece ter-lhe ligado enquanto este se achava em seu escritório na Cisjordânia, mantendo-o ocupado ao telefone enquanto helicópteros Apache sobrevoavam o local e forças de terra especiais vigiavam as janelas. Uma "mancha de laser" foi então projetada do solo para as janelas, permitindo que pilotos dos Apaches disparassem dois mísseis certeiros. O corpo de Mustafa ficou tão mutilado que assessores só conseguiram identificá-lo pelas roupas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.