Arafat questiona promessas de Sharon

O líder palestino Yasser Arafat fez, nesta quinta-feira, duras críticas aos resultados da reunião de cúpula de Ácaba, na Jordânia, sobre a paz no Oriente Médio. Arafat, que não foi convidado para as negociações com Israel e com os Estados Unidos, disse que a promessa israelense de acabar com os assentamentos judaicos não-autorizados na Faixa de Gaza é insuficiente.Na primeira indicação de que Israel está disposto a implementar o plano de paz patrocinado pelos Estados Unidos, funcionários do governo devem se reunir nesta quinta-feira para decidir como desmobilizar alguns postos avançados, segundo a imprensa israelense. Já os palestinos, que foram representados na reunião pelo primeiro-ministro Mahmoud Abbas, também conhecido como Abu Mazen, disseram que o levante armado palestino (Intifada) tem que acabar.Arafat disse que o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, "ainda não apresentou nada de tangível". "Qual é o significado de mudar uns trailers de lugar e, então, dizer: ´Eu removi um assentamento´?", perguntou Arafat aos repórteres que o abordaram ao sair do seu quartel-general em Ramallah, na Cisjordânia.Horas depois da reunião, milhares de assentados israelenses e militantes da direita fizeram uma manifestação em Jerusalém, prometendo barrar qualquer tentativa de acabar com os assentamentos ou postos avançados. Cerca de 40 mil manifestantes lotaram uma praça no centro de Jerusalém contra as concessões feitas por Israel. Fontes israelenses afirmam que a segurança de Sharon foi reforçada por possíveis ameaças de extremistas judeus. O grupo ativista israelense Paz Já disse que há mais de cem assentamentos avançados na Cisjordânia, onde os palestinos querem criar o seu Estado. Segundo a imprensa israelense, apenas 15 devem ser removidos.Grupos palestinos radicais também rejeitaram o apelo de Abu Mazen pelo fim da Intifada.As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.