Arafat reafirma compromisso com a paz

O líder palestino Yasser Arafat garantiu neste sábado ao novo governo de Israel que está comprometido com a paz, mas pediu a retomada das negociações do ponto em que foram suspensas- algo com que o primeiro-ministro Ariel Sharon não concorda. Num discurso ao Parlamento palestino, Arafat reiterou as tradicionais posições palestinas, ainda que em um tom relativamente conciliador, em contraste com as duras palavras que têm sido trocadas nos cinco meses da intifada, ou levante palestino. "Nossos corações estão abertos e nossas mãos estendidas pela paz do bravo... Estamos prontos para ir em frente nas negociações com o governo israelense", disse Arafat, acrescentando que entendia preocupações de Israel. Mais cedo esta semana, Sharon informou a Arafat que esperava estabelecer em breve contatos pessoais. Uma autoridade palestina, que pediu para não ser identificada, disse que estão em andamento esforços para se arranjar um encontro entre Arafat e Sharon, antes da viagem do primeiro-ministro israelense aos Estados Unidos, em 20 de março. Nenhum dos lados impôs condições para o encontro, como um cessar-fogo ou a suspensão do bloqueio israelense a áreas palestinas, apesar de ambos terem dito que tais passos seriam pré-requisitos para o início formal de negociações. Apesar dos esforços para a retomada dos contatos, a violência continua. Na Faixa de Gaza, a polícia palestina anunciou ter sido informada pelo Exército de Israel de que um palestino de 25 anos havia sido morto a tiros durante a madrugada nas proximidades de um posto militar israelense. Desde setembro último, 424 pessoas já foram mortas - 348 palestinos, 57 judeus israelenses e 19 outras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.