Arafat, sitiado em seu QG, diz que intifada vai continuar

A intifada continuará até que seusobjetivos tenham sido atingidos, prometeu hoje o presidenteda Autoridade Palestina (AP), Yasser Arafat, de seu sitiadoquartel-general na cidade de Ramallah, na Cisjordânia. Arafatdirigiu por telefone um inflamado discurso a uns 30 milpalestinos concentrados na cidade de Gaza para comemorar osegundo aniversário da revolta palestina contra a ocupaçãoisraelense, a intifada. Citando versos do Alcorão, Arafat disse que Alá "premiará ospalestinos que lutarem contra o inimigo (Israel)". Eacrescentou: "Se os israelenses não gostarem do que digo, quevão beber água no mar de Gaza". Pelo menos dois palestinos foram mortos por soldadosisraelenses ao eclodirem, em vários pontos dos territóriospalestinos, manifestações de milhares de palestinos pelos doisanos da intifada. Além de Gaza, houve choques em Ramallah eoutros pontos da Cisjordânia. Na Faixa de Gaza, dois palestinos, um de 17 e outro de 25 anos morreram baleados por soldados. No Cairo, principalmente na Universidade do Cairo, cerca de 25mil pessoas se manifestaram contra os Estados Unidos e Israel,aproveitando o aniviversário da intifada. Também houvemanifestações em outras universidades egípcias. Israel deve chegar a um acordo para permitir a saída de Arafatde seu confinamento na Muqata, o prédio que sobrou no destroçadocentro administrativo da AP em Ramallah, disse hoje o chancelerisraelense, Shimon Peres. Segundo ele, isso deveria ser feitopara não prejudicar os Estados Unidos em sua campanha contra oIraque. "Há o perigo de que o Oriente Médio se transforme numaregião em que armas nucleares terminem em mãos de tiranosloucos", disse Peres, referindo-se ao conflito dos EUA com olíder iraquiano, Saddam Hussein. E acrescentou: "Como os EUA seestão ocupando desse perigo, é lógico que Israel não lhe crieproblemas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.