Arafat sofreu atentado com antraz, diz conselheiro

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, escapou novamente de uma tentativa de assassinato há três semanas, afirmou seu conselheiro de segurança nacional, Hani al-Hassan, em entrevista ao diário internacional árabe Al-Hayat, editado em Londres. Al-Hassan acusou Israel pelo envio da substância e disse que esse país "padece de uma obsessão chamada arafatismo". Não houve comentário oficial sobre o assunto por parte do governo de Israel.Desta vez, o inimigo usou uma carta contendo antraz, enviada a Arafat, segundo Al-Hassan. "Antes de abri-la, os serviços de segurança da presidência submeteram a carta a medidas de controle, como de costume, e descobriram que continha um pó", afirmou Al-Hassan."Os selos no envelope mostravam que vinha de um país asiático", disse, logo acrescentando que todas as mensagens postais para os territórios palestinos passam por Israel. "A vigilância dos serviços de segurança impediu uma verdadeira catástrofe", disse al-Hassan.Indagado sobre se levava a sério as declarações de alguns políticos israelenses, evocando a deportação ou o assassinato de Arafat, Al-Hassan respondeu: "Fui testemunha de 13 tentativas de assassinato contra o presidente Arafat, em Beirute e outros lugares, e de todas ele saiu imune."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.