Osvaldo Gutierrez Gomez/ACN via AP
Osvaldo Gutierrez Gomez/ACN via AP

Arcas de Noé na rota do furacão Irma

Parques da Flórida e no Caribe correm para salvar bicharada

O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2017 | 05h00

MIAMI - Em muitos locais afetados pelo Irma, a corrida contra o tempo é para salvar os animais. Em Cuba, na ilha de Cayo Guillermo, seis golfinhos de um aquário ganharam uma carona de helicóptero para a Província de Cienfuegos, longe da tormenta.

Em Miami, no maior zoológico da Flórida, a prioridade é proteger os animais. Em 1992, durante o furacão Andrew, a direção colocou 30 flamingos no banheiro masculino. Agora, o porta-voz do Miami Zoo, Ron Magill, afirmou ao jornal Miami Herald que os flamingos ficariam em um abrigo feito de concreto e metal, especificamente projetado para suportar uma tempestade da magnitude do Irma. “Eles estarão seguros”, garantiu.

De acordo com Magill, nenhum animal será levado para fora do zoológico. “Se eles ficarem expostos a uma situação muito estressante, correm um risco muito grande de morrer”, afirmou. “Por isso, o zoológico de Miami não move nenhum animal, apenas no caso de um furacão de categoria acima de 3.” Pelo Facebook, a direção do zoo afirmou que estocou água e comida para os animais.

Era inevitável que o furacão Irma afetasse também os maiores símbolos da Flórida: seus parques temáticos. Magic Kingdom, Hollywood Studios, Epcot Center, Animal Kingdom, SeaWorld e Busch Gardens devem permanecer fechados até segunda-feira. De acordo com o jornal Orlando Sentinel, a direção dos parques permitirá o cancelamento ou um reagendamento das datas de visita sem custos e com devolução do valor pago.

Abrigos especiais. Em alguns parques, como o Central Florida Animal Reserve, santuário de felinos como leões, leopardos e tigres, as construções foram feitas já prevendo a passagem de furacões. “Nossas instalações são capazes de resistir a ventos de até 240 km/h”, afirmou Simba Wiltz, diretor do local.

Já o zoológico de Palm Beach reconheceu que o ideal, para algumas espécies, seria a mudança para algum lugar seguro durante a passagem do Irma. Os diretores e veterinários, no entanto, também optaram por tentar proteger os animais dentro de suas instalações. “Nossos animais, grandes e pequenos, estão sendo transferidos para abrigos construídos para furacões dentro do próprio zoológico”, afirmou a direção em uma mensagem no Twitter.

O Lion Country Safari, também em Palm Beach, postou uma imagem em sua conta no Twitter de vários avestruzes escondendo a cabeça na terra. “Igual ao que você veria durante um furacão”, dizia a legenda da foto. Segundo o jornal Palm Beach Post, o parque também manteria seus animais em abrigos especialmente construídos para tempestades. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.