Arcebispo casado pelo reverendo Moon agita o Vaticano

Um arcebispo africano que escandalizou a igreja católica com um casamento organizado pela igreja do reverendo Moon parece estar prestes a chocar novamente o Vaticano. Emmanuel Milingo organizou uma coletiva de imprensa surpresa pedindo à Igreja Católica que permita aos padres casar. Ele passou os últimos quatro anos vivendo calmamente em um convento ao sul de Roma, após seu retorno à igreja. Em 2001, ele casou-se com uma mulher em uma cerimônia coletiva conduzida pelo reverendo Sun Myung Moon, da igreja da unificação. O arcebispo Milingo desapareceu de seu convento italiano no mês passado para ressurgir em Washington na última quarta, segundo relatou a agência de notícias Reuters. Ele disse aos jornalistas que já era hora de a igreja ´se reconciliar com os padres casados.´E ele conclamou os padres punidos por casarem-se para que ´saíssem de suas prisões católicas e que reassumissem suas responsabilidades pastorais.´Medidas disciplinaresO arcebispo Milingo surpreendeu o Vaticano quando desapareceu em 2001 para reaparecer em Nova York, quando se casou com a médica sul coreana Maria Sung em um casamento coletivo organizado pela igreja do reverendo Moon. Ele renunciou ao seu casamento quatro meses depois, afirmando que queria voltar à igreja, que nunca reconheceu seu matrimônio e até o ameaçou de excomunhão.Na época, o papa João Paulo II o entrevistou pessoalmente e, após um ano de reabilitação na América do Sul, o arcebispo Milingo se mudou para um convento próximo a Roma.O arcebispo Milingo disse à agência Associated Press, em uma entrevista por telefone, que ele não quer deixar a igreja, mas sim mudá-la. Ele afirmou que os padres que se apaixonaram ´teriam sido induzidos a um estado de quase desequilíbrio mental´. O Vaticano disse estar chocado com as últimas ações de Milingo e afirmou que está considerando aplicar severas ´medidas disciplinares.´

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.