Área é dominada por tráfico e contrabando

A Península do Sinai - ocupada por Israel na Guerra dos Seis Dias, de 1967, e devolvida ao Egito após os Acordos de Camp David, em 1979 - é uma área onde atuam traficantes de drogas e pessoas, além de contrabandistas que levam armas e outros produtos para a Faixa de Gaza.

O Estado de S.Paulo

19 de março de 2012 | 03h01

É também um local onde estão alguns dos destinos turísticos mais procurados do mundo, como o Monte Sinai - onde, segundo a tradição, Moisés teria recebido as tábuas dos Dez Mandamentos -, o Golfo de Ácaba e o Mosteiro Ortodoxo de Santa Catarina, de onde haviam saído os turistas que estavam no ônibus no qual as brasileiras foram sequestradas.

A segurança na região sempre foi precária e casos de sequestros e atentados com mortes contra turistas nunca foram incomuns.

Além dos beduínos, que reivindicam mais atenção do governo central e se consideram os verdadeiros proprietários da região, o Sinai registra também forte atuação de grupos islâmicos radicais.

De acordo com especialistas do setor de turismo, as condições de segurança se deterioraram ainda mais desde a queda do regime de Hosni Mubarak, em fevereiro do ano passado.

Além de reprimir duramente os movimentos fundamentalistas - hoje muito mais influentes no governo egípcio -, Mubarak havia chegado a um acordo com os beduínos para, com a receita da indústria do turismo, investir mais na infraestrutura da região.

O turismo é a principal fonte de receita da economia egípcia e atraiu cerca de 14 milhões de visitantes em 2010. Com a tensão política que tomou conta do país, porém, esse número caiu em mais de 25% no ano passado.

Em resposta a essa situação, associada à crise europeia, o governo egípcio passou a buscar parcerias com operadoras principalmente de países emergentes, como o Brasil, Rússia e China, baixando o preço de pacotes e oferecendo condições especiais de financiamento.

Segundo os especialistas egípcios, o setor de turismo vinha se recuperando gradualmente nos últimos meses, mas os sequestros, principalmente, na região do Sinai devem emperrar essa evolução.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.