Argélia: ataque no deserto acaba com 'mortos e feridos'

Militares argelinos lançaram ataques nesta quinta-feira contra o complexo industrial de gás natural, no sul da Argélia, onde radicais islamitas mantinham dezenas de reféns, em uma ação que deixou um número não determinado de mortos e feridos. A ação foi finalizada no final da tarde de hoje e deixou "mortos e feridos" disse o ministro das Comunicações da Argélia, Mohammed Said.

AE, Agência Estado

17 de janeiro de 2013 | 18h53

Os islamitas tentavam "transferir, com o uso de veículos, alguns dos reféns para um local mais seguro" quando as forças argelinas lançaram ataques aéreos "matando tanto reféns quanto sequestradores", informou mais cedo o porta-voz dos sequestradores à agência de notícias ANI, da Mauritânia. Um militar argelino disse no final da tarde desta quinta-feira que "reféns foram mortos" na operação mas não especificou quantos. A informação foi confirmada um pouco mais tarde pelo ministro Mohammed Said, o qual disse que existem "muitos mortos e feridos", entre os quais "alguns reféns".

O governo argelino disse que foi forçado a lançar o ataque porque as negociações com os sequestradores chegaram a um "impasse", informou o website da emissora Al Jazeera, do Catar. O evento foi uma ação dramática e levou o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, a adiar um discurso que faria sobre a União Europeia (UE) na sexta-feira. Britânicos estavam entre os reféns.

A ANI informou mais cedo, citando fontes dos sequestradores, que 34 reféns e 14 militantes extremistas foram mortos. A agência também citou o porta-voz dos militantes, grupo que se autodenomina Brigada Mascarada, o qual afirmou mais cedo que o grupo mataria os demais reféns se o Exército se aproximasse do local. Pelo menos 41 dos reféns são ocidentais, entre sete norte-americanos, franceses, britânicos e noruegueses, além de japoneses. Os agressores também manteriam como reféns pelo menos 150 trabalhadores argelinos.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.