Argélia: Divergência sobre mortes em queda de avião

Um avião de transporte do Exército da Argélia caiu hoje na província de Oum el-Bouaghi, a cerca de 500 quilômetros de Argel. O número de mortos é controverso. Em meio a relatos de mais de cem mortos, o Ministério da Defesa informou que havia 78 pessoas a bordo, sendo 74 passageiros e quatro tripulantes. Destas, 77 pessoas morreram e uma sobreviveu. Já um porta-voz das Forças Armadas e um jornal argelino informavam 102 mortos e um sobrevivente. Ainda não foi possível esclarecer o motivo da divergência.

AE, Agência Estado

11 de fevereiro de 2014 | 19h53

Foi o pior acidente aéreo ocorrido na Argélia desde 2003, quando uma aeronave da companhia Air Algerie caiu pouco depois da decolagem, deixando 102 mortos.

Até a noite de hoje, as equipes de resgate tinham retirado pelo menos 55 corpos dos escombros da aeronave. Segundo o porta-voz do Exército argelino, as causas do acidente ainda estão sendo investigadas, mas acredita-se que o mau tempo tenha provocado a queda.

O avião, um Hércules C-130 da Lockheed, viajava de Tamanrasse, no sul do país, para Constantine, no leste. Ele partiu-se em três com o impacto no solo. Membros das equipes de resgate disseram que há crianças e mulheres entre as vítimas, a maioria parentes dos soldados que estavam no avião.

"Condições desfavoráveis de tempo e nevascas estão por trás do acidente", informou por meio de nota o Ministério da Defesa.

Apenas um sobrevivente foi encontrado. "As buscas continuam, mas até agora só encontramos uma pessoa com vida", disse o coronel Farid Nechad, que coordena as equipes de resgate no local.

O sobrevivente foi identificado um soldado que está internado em um hospital de Argel com ferimentos na cabeça.

Os ventos na região variavam entre 30 km/h e 50 km/h, segundo o site de aviação safety.net. Criado no começo dos anos 50, o C-130 é um dos aviões militares mais usados no mundo. O modelo que sofreu o acidente, o C-130 H foi produzido até 1996 e é utilizado em missões humanitárias e de transporte de tropas ao redor do mundo.

O presidente da Argélia, Abdelaziz Buteflika, decretou três dias de luto nacional e enviou seus pêsames para as famílias das vítimas.

"Os soldados que morreram no acidente com o avião militar são mártires do dever", disse o líder argelino por meio de nota divulgada pela agência oficial de notícias do país. Fontes: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Argéliaaviãoacidentequeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.