Argélia vai encerrar 19 anos de estado de emergência, diz governo

Chanceler descarta que recentes protestos no país possam derrubar ditadura de 12 anos

Reuters,

14 de fevereiro de 2011 | 11h51

  Polícia reprime protesto em Argel. Foto: Zohra Bensemra/Reuters

ARGEL - O estado de emergência em vigor há 19 anos na Argélia será encerrado dentro de alguns dias, disse nesta segunda-feira o ministro de Relações Exteriores do país, Mourad Medelci, que descartou a possibilidade de que recentes protestos no país possam chegar ao ponto dos que ocorreram na Tunísia e Egito.     

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o mundo árabe

                      

O estado de emergência foi instituído em 1992 e o governo está sob pressão de grupos de oposição para removê-lo, inspirados pelas manifestações de protesto na Tunísia e no Egito, que resultaram na deposição dos líderes desses países.

 

No sábado centenas de pessoas foram às ruas da capital, Argel, e grupos oposicionistas disseram que vão promover manifestações semanais até que haja uma mudança de governo.     

                         

"Nos próximos dias, falaremos sobre isso (o estado de emergência) como se fosse algo do passado", disse Medelci, em entrevista à rádio francesa Europe 1. "Isso significa que em Argel teremos o retorno da lei que permite completa liberdade de expressão, dentro dos limites da lei", declarou.

                

Os protestos recentes foram organizados por grupos minoritários com pouco apoio, afirmou o ministro, avaliando que não há risco de deposição do governo, como nos dois países vizinhos.       

 

No entanto, ele indicou que o governo pode estar disposto a fazer concessões: "A decisão de mudar o governo depende do presidente, que avaliará a possibilidade, como já fez no passado", disse ele. "A Argélia não é a Tunísia ou o Egito", acrescentou.  

 

Leia ainda:

link Irã reforça policiamento para impedir manifestações

linkPremiê da Autoridade Palestina dissolve gabinete

linkManifestantes e policiais entram em confronto no Bahrein

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.