Argelianos tomam as ruas e enfrentam polícia

Milhares de pessoas desafiam uma proibição oficial de manifestações na capital argeliana e se reúnem no centro da cidade para exigir mudanças no regime de governo, um dia após a queda do presidente egípcio, Hosni Mubarak.

AE, Agência Estado

12 de fevereiro de 2011 | 11h23

Os manifestantes dizem "não à polícia" e "fora Bouteflika", contra o mandatário argeliano, Abdelaziz Bouteflika, que está no poder desde 1999. Cerca de 10 mil pessoas tomaram o centro de Argel, segundo a Coordenação para Mudança Democrática na Argélia - um grupo formado por ativistas de direitos humanos, advogados, sindicalistas e outras categorias -, que organizou a marcha, para pressionar por reformas que conduzam o país em direção à democracia.

Os manifestantes entraram em confronto com policiais que tentavam bloquear as ruas e dispersar a multidão. Desde a noite de ontem, forças de segurança se preparavam para conter os protestos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitomanifestaçõesArgélia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.