Argelinos rejeitam indenização francesa por exposição nuclear

O diretor da principal associação que trabalha pelas vítimas argelinas dos testes nucleares realizados pela França, nos anos 1960, rejeitou hoje uma indenização de Paris, alegando que exige que a França reconheça que o ocorrido foi um "crime contra a humanidade".

(AE-AP), Agencia Estado

13 de fevereiro de 2010 | 18h02

Abderrahmane Lagsassi disse à Associated Press hoje, no 50º aniversário do primeiro teste nuclear realizado em Reggane, no sul da Argélia, que a indenização decidida em dezembro pelo Parlamento francês é "humilhante".

Segundo Lagsassi, os argelinos serviram como "cobaias para permitir que a França adquirisse armas atômicas". De acordo com ele, as pessoas continuam sofrendo com problemas respiratórios, câncer de pele e outras doenças. Além disso, eles querem que a área seja descontaminada e que seja construído um hospital.

A lei francesa diz que as indenizações serão arbitradas caso a caso.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaindenizaçãoArgélia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.