Argentina ainda sob tensão do panelaço

A Argentina ainda vive a tensão do panelaço que se estendeu por toda a madrugada e terminou hoje cedo. Mais de 50 mil pessoas participaram dos protestos e exigindo eleições gerais para o País. Houve o confronto com a Polícia, com 30 presos e um soldado ferido. O panelaço se estendeu dos bairros mais afastados até o centro de Buenos Aires. Protestaram principalmente contra o confisco dos recursos nos bancos. Gritaram palavras de ordem contras os bancos internacionais. Um retrato de um país em dificuldades. Hoje pela manhã, havia a informação de que o chanceler Carlos Ruckauf que vai a Washington na quarta-feira próxima, também deverá se avistar com o secretário de tesouro americano Paul O´Neil, que deseja saber um detalhamento do plano econômico do país para sair das dificuldades. A Argentina espera que o Fundo Monetário Internacional (FMI) seja menos duro ao conhecer mais detalhes do seu plano econômico e até libere recursos.

Agencia Estado,

26 Janeiro 2002 | 10h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.