Argentina anuncia criação de sistema de medição de audiência

Presidente Cristina diz que programa será estatal e permitirá 'monitorar' o que os argentinos assistem pela TV

Ariel Palacios, correspondente em Buenos Aires

06 de junho de 2014 | 14h30

BUENOS AIRES - A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou a criação de um "confiável" sistema estatal de medição da audiência na TV, denominado Sistema Federal de Medição de Audiências (Sifema). O ibope estatal pretende, segundo Cristina, "monitorar" o que os argentinos assistem pela TV.

A presidente afirmou que a medição será independente porque será elaborada por onze universidades. "Queremos fazer um sistema totalmente transparente, de qualidade internacional e que possa ser auditado por todos", disse Cristina, acrescentando que o sistema permitirá que "os argentinos conheçam quais são suas preferências e seus gostos."

A criação de um "Ibope para o povo", como os assessores de Cristina chamam o sistema, ocorre em um momento de desconfianças sobre as estatísticas elaboradas pelo governo. A administração Kirchner é acusada desde 2007 de manipular os índices de inflação, pobreza, desemprego e PIB do país.

A presidente criticou o atual sistema de medição de audiências, elaborado pela empresa brasileira Ibope, e afirmou que o mecanismo do Sifema será feito com "precisão científica". Em 2010, o governo Kirchner havia anunciado a criação de um sistema estatal de medição de audiências.

Segundo Cristina, o sistema já está funcionando em pequena escala, com medições na cidade de Buenos Aires e região metropolitana.

Na quarta-feira 4, Cristina criou uma secretaria de Estado destinada à "coordenação" do "pensamento nacional". O objetivo oficial é o de "projetar, coordenar e instrumentar uma usina de pensamento nacional", além de "estimular" a "percepção do ser nacional".

A expressão "ser nacional" foi criticada por ter sido usada na ditadura militar (1976-83) com frequência para exaltar os "valores" patrióticos e criticar a "subversão apátrida".

Mais conteúdo sobre:
ArgentinaCristina Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.