Argentina apreende múmia e caveiras pré-incas que seriam enviadas para Europa

Declaradas como réplicas de cerâmicas peruanas, peças iriam para para colecionadores e museus.

Marcia Carmo, BBC

27 de maio de 2011 | 22h33

Uma múmia e três caveiras que seriam enviadas a colecionadores e museus europeus foram apreendidas nesta sexta-feira em Buenos Aires pela Associação Federal de Ingressos Públicos (AFIP, equivalente à Receita Federal argentina).

Com importante valor arqueológico, as peças teriam sido enviadas por correio de La Paz, na Bolívia, para Buenos Aires, e seriam provenientes do Peru.

As peças foram descobertas quando passavam por máquinas que inspecionam o material que entra na Argentina e foram declaradas como réplicas de cerâmicas peruanas.

"É mais um fato que demonstra a firme decisão da Argentina de combater o tráfico ilegal de bens culturais", disse o secretário da AFIP, Ricardo Echegaray.

Pré-incas

De acordo com avaliações preliminares, o material teria marcas das civilizações pré-incas. "As peças apresentam deformações cranianas, resultados das práticas culturais e religiosas daqueles povos originários", informou a AFIP, acrescentando que elas estão sendo analisadas por pesquisadores do Instituto Nacional de Arqueologia e Pensamento Latino-americano.

"As três caveiras e a múmia completa seriam restos da cultura paracas (século VIII a.C. e III d.C.)."

De acordo com o organismo argentino, o pacote com as caveiras e a múmia tinha como destinatário um argentino, que mora em Buenos Aires. "O destino final seriam museus e colecionadores que querem especialmente os tecidos que envolvem as múmias", declarou-se no comunicado.

A AFIP informou ainda que foi aberta uma investigação policial sobre o caso e que foi preso o destinatário da encomenda arqueológica, cujo nome não foi relevado.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.