AP
AP

Argentina busca juiz que se anime a seguir trabalho de Nisman

Procura-se quem aceite dar continuidade no Judiciário argentino à denúncia de Alberto Nisman, promotor que apareceu morto quatro dias depois de denunciar a presidente Cristina Kirchner, o chanceler Héctor Timerman e outros dirigentes do governo.

Rodrigo Cavalheiro, O Estado de S. Paulo

03 de fevereiro de 2015 | 20h12

Dois juízes federais se eximiram. Ariel Lijo, que tem em mãos uma causa que aponta irregularidades no início da investigação do atentado à Amia, recebeu de Nisman a denúncia de que o governo protegeu iranianos acusados do ataque em troca de favores comerciais. Lijo argumentou que as denúncias de Nisman, sobre fatos de 2010 a 2014, estavam desconectados daqueles sobre os quais ele trabalhava. A denúncia foi sorteada entre cinco juízes. O premiado foi Daniel Rafecas, que antes de sair de férias tomou uma precaução: deixou orientação de que, caso fosse sorteado, declarava-se impedido. A decisão caberá agora a uma instância superior.


Há pelo menos duas razões para a falta de interessados. A primeira é a própria denúncia de 300 páginas, considerada frágil por parte dos juristas. A outra é o mistério em torno da morte, sinal de que poucos creem no suicídio de alguém que esclareceria as acusações no dia seguinte no Congresso – e em vez de nota suicida deixou uma lista de compras para a empregada.

Um dirigente da Delegação de Associações Israelitas-Argentinas, Waldo Wolff, que recebeu mensagem de Nisman na véspera da morte, pediu que alguém analise o papel dos acusados. “Que estão ocorrendo coisas estranhas, estão. Espero que os juízes não tenham medo, ou então que se dediquem a outra coisa”, disse à rádio La Red. “É uma hora importante para salvar essa sociedade, um momento de se vestir a camiseta, sobretudo na magistratura.”

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaAlberto Nisman

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.