Argentina caminha para novo ajuste fiscal

A Argentina não terá outra opção, senão a de realizar um novo e drástico ajuste fiscal e reduzir ainda mais os impostos, caso a economia do país não mostre sinais de recuperação e patine no círculo vicioso em que se encontra há mais de três anos. A opinião é de Adolfo Sturzenegger, diretor da Fundação Novum Millenium e um dos principais assessores e amigos do ministro de Economia, Domingo Cavallo. Em entrevista concedida quarta-feira à Agência Estado, por telefone, Sturzenegger fez questão de enfatizar que falava como economista independente e suas opiniões eram estritamente pessoais, sem representar necessariamente as diretrizes que a equipe econômica do governo vem seguindo ou pode seguir nos próximos meses. Leia mais no site do Estado

Agencia Estado,

11 de maio de 2001 | 03h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.