Argentina comemora chegada de uma rainha ao trono holandês

Máxima Zorreguieta será a primeira mulher de todo o continente americano a ser monarca consorte em uma corte europeia

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES , O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2013 | 02h05

No dia 30 de abril, a argentina Máxima Zorreguieta será a primeira mulher de todo o continente americano a ser rainha consorte em uma corte europeia. A transformação da plebeia do portenho bairro da Recoleta em monarca de uma das casas mais tradicionais da Europa se confirmou após a abdicação da rainha Beatriz, da Holanda, anunciada na segunda-feira. Máxima é casada como o herdeiro, o príncipe Willem-Alexander.

A americana Wallys Simpson só se casou com Eduardo de Windsor, ele já havia abdicado do trono britânico.

Sylvia Sommerlath casou-se com o rei Carl Gustav, da Suécia, mas, embora tenha morado no Brasil quando criança, nasceu na Alemanha.

Máxima era uma economista do Deutsche Bank, em Nova York, quando conheceu o herdeiro, que na época tinha o apelido de "Príncipe Pilsner", pelo apreço que tinha às festas regadas a cerveja. Quando ela lhe perguntou qual era sua profissão, ele teria respondido: "Príncipe". Pouco depois, começaram o namoro. Willem-Alexander deixou a boemia e emagreceu.

Os biógrafos afirmam que a rainha gostou logo de Máxima e foi a única namorada de seu filho que ela aprovou. No entanto, havia um problema: seu pai, o usineiro Jorge Zorreguieta, havia sido ministro da Agricultura do ditador Jorge Rafael Videla.

Máxima passou por uma sabatina do Parlamento da Holanda e teve de criticar publicamente os crimes da ditadura argentina. Além disso, entrou sozinha na cerimônia de casamento, já que o governo holandês proibiu a presença de Zorreguieta. Na cerimônia, embalada pelo tango Adiós Nonino, de Astor Piazzolla, Máxima chorou emocionada.

Com o tempo, ela aprendeu holandês e ensina o espanhol às três filhas, que leva todo ano de férias para a Argentina, principalmente para visitar a Patagônia e a Província de Jujuy, no norte do país. As pesquisas indicam que ela é uma das figuras mais amadas pelos holandeses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.