EFE
EFE

Argentina diz que crítica de Mujica ao país é 'injusta'

O presidente uruguaio, que deixará o poder no domingo, acrescentou: "É como se a Argentina tivesse retrocedido para uma visão dos (anos) 1960".

O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2015 | 02h05

O porta-voz do governo argentino, Jorge Capitanich, considerou ontem "injustas" as declarações do presidente uruguaio, José Mujica, de que Buenos Aires não se esforça para acompanhar a integração regional.

"A Argentina deve e merece ter o reconhecimento de seus pares e deve tê-lo do Uruguai, porque grande parte do seu comércio exterior tem muito a ver com a capacidade e o desenvolvimento da Argentina", afirmou Capitanich na Casa Rosada, em um tom mais sóbrio que o usado por Mujica. No domingo, o jornal Perfil publicou uma entrevista em que o líder uruguaio afirmou: "A integração precisa de uma liderança e essa liderança se chama Brasil. Mas a Argentina teria de acompanhar e não acompanha um c...". Capitanich ressalvou que seu país respeita todas as opiniões de outros líderes.

O presidente uruguaio, que deixará o poder no domingo, acrescentou: "É como se a Argentina tivesse retrocedido para uma visão dos (anos) 1960". Mujica passará o cargo para Tabaré Vázquez, que já governou o país entre 2005 e 2010. / RC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.