Argentina e Brasil oferecem mediação na crise entre Colômbia e a Venezuela

Em Brasília, ministros das Relações Exteriores dos dois países manifestaram "preocupação" com o assunto, mas deixaram claro que somente podem intervir ser forem chamados

João Villaverde / BRASÍLIA, O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2015 | 20h41

A crise entre a Colômbia e a Venezuela, agravada pela deportação em massa de colombianos do território venezuelano, foi tratada nesta quinta-feira, 27, pelos chanceleres de Brasil e Argentina como motivo de alerta. Após encontro entre os ministros das Relações Exteriores brasileiro, Mauro Vieira, e argentino, Héctor Timerman, em Brasília, ambos disseram estar “prontos e dispostos” a cooperar com colombianos e venezuelanos. Eles manifestaram “preocupação” com o assunto, mas deixaram claro que somente podem intervir ser forem chamados. 

“O Brasil está sempre pronto e disposto a cooperar em qualquer circunstância sempre que for interesse das partes envolvidas. A Unasul é um fórum singular e pode facilitar o diálogo entre as duas partes, sempre que for solicitada”, disse Vieira, que saiu em defesa da União de Nações Sul Americanas (Unasul), criada em 2008 e integrada pelos 12 países da América do Sul. Como reação à crise com o país vizinho, o partido do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, pediu que o país deixe a Unasul.

“A Unasul já ajudou em conflitos na região, até mesmo entre Colômbia e Venezuela, anos atrás, com intermediação do então secretário-geral da Unasul, nosso ex-presidente Néstor Kirchner”, disse Timerman. “Vemos com preocupação a situação entre os dois países e estamos à disposição.”

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.