Argentina é condenada a pagar credores

Justiça de NY determina que governo quite dívida de US$ 1,3 bilhão com fundos

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES , O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2012 | 02h17

O juiz federal americano Thomas Griesa, da Justiça de Nova York, determinou que a Argentina pague até 15 de dezembro US$ 1,3 bilhão aos credores da dívida pública do país que optaram por ficar de fora das duas reestruturações dos bônus, realizadas em 2005 e 2010 pelos governos de Néstor e Cristina Kirchner. A decisão de Griesa deve piorar a abalada imagem financeira do país no exterior.

Cristina considera esses credores, chamados de holdouts, "fundos abutres". Segundo ela, tratam-se de fundos de investimentos, assessorados por experientes times de advogados, que compram títulos a preços baixos para especular com esses bônus nos mercados e nos tribunais para obter melhores preços. A presidente argentina diz que não pretende pagá-los.

Era previsto que a Argentina pagasse US$ 3,14 bilhões aos credores dos títulos reestruturados em dezembro. Mas esse pagamento só pode ser feito, segundo a Justiça americana, depois que o governo deposite os US$ 1,3 bilhão em uma conta para os "abutres". Assim, embora conte com fundos para pagar os credores reconhecidos, a Argentina ficaria à beira de um calote técnico.

"A Argentina deve isso e o deve agora", declarou o juiz.

Na terça-feira, o ministro da Economia da Argentina, Hernán Lorenzino, disse que, caso seja necessário, o governo Kirchner apelará à Corte Suprema dos EUA.

Fragata. Além dos problemas com o juiz Griesa, a Argentina vive um impasse jurídico com Gana, país da Costa da Guiné onde está retida a fragata Liberdade, o navio-escola argentino.

A embarcação foi detida há dois meses e meio - em plena viagem com seus cadetes - no porto de Tema, Gana, a pedido do fundo americano NLM-Elliot, que pediu o embargo desse ativo do Estado argentino como forma de pressionar pelo pagamento dos títulos em estado de calote.

Segundo o tribunal ganense, a fragata somente será liberada com o pagamento de um depósito de US$ 20 milhões. No entanto, a presidente Cristina declarou que não pagaria um centavo aos credores envolvidos. Além disso, Cristina exige que Gana indenize a Argentina e o pequeno país do Golfo da Guiné peça desculpas publicamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.