Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Argentina esteve perto de vencer guerra das Malvinas, aponta documentário

Produção defende que Buenos Aires só não derrotou Londres no conflito por combinação de azar e falhas

Ansa,

14 de março de 2012 | 14h04

LONDRES - A Argentina esteve a ponto de derrotar a Grã-Bretanha na Guerra das Malvinas, mas não conseguiu alcançar esse objetivo por uma combinação de azar e de artilharia e munições com falhas, aponta um documentário transmitido em Londres pela emissora Channel 5.

 

Intitulado "The Great Falklands Gamble: Revealed" ("A grande aposta das Malvinas: revelada", em tradução livre), o documentário apresentou uma série de imagens de arquivo inéditas, entrevistas com ex-combatentes britânicos do conflito e análise sobre o futuro das ilhas. "A história será familiar para muitos, especialmente neste ano que se comemora o 30º aniversário da invasão argentina e, no entanto, há muitos detalhes novos", publicou nesta quarta-feira, 14, o jornal Daily Telegraph sobre o programa.

 

O documentário, dirigido e produzido pelo inglês Mark Fielder, gira em torno da teoria de que a Grã-Bretanha esteve muito perto de perder a guerra. "Seis navios britânicos foram alvo de bombas argentinas que não detonaram. Se tivessem explodido, a campanha britânica teria sido derrotada de imediato. Isso ajudou, como também o fato de que valentes soldados da Marinha e paraquedistas britânicos lutaram corpo a corpo até o final", destacou.

 

O brigadeiro Julian Thompson, que foi comandante das forças terrestres nas Malvinas durante o conflito, admitiu que, em caso de uma "nova invasão das ilhas, não poderíamos repeli-la novamente. Não poderíamos fazer o que fizemos de novo. Se os argentinos invadissem amanhã, não poderíamos recuperá-las sem um porta-aviões".

 

Detalhes 'chocantes'

 

Thompson contou no documentário que, durante a guerra, "o clima atroz nas ilhas, uma limitada Defesa aérea britânica, comunicações pobres em inclusive incompetência, colocaram em sério risco a campanha britânica".

 

A produção ainda narrou detalhes "chocantes" de navios britânicos destruídos por bombas argentinas, homens queimados, munições sendo impactadas contra barcos, ataques noturnos nas colinas de montanhas e combates sem piedade corpo a corpo, uma situação agravada com o despreparo de equipes e falta de helicópteros.

 

Nas últimas semanas, as tensões em torno do arquipélago voltaram a aumentar. O governo da Argentina denunciou recentemente diante da ONU a "militarização" do Atlântico Sul por parte da Grã-Bretanha depois do anúncio do iminente envio do destróier HMS Dauntless para a região e a chegada do príncipe William às Malvinas para uma missão de treinamento como piloto de helicópteros de busca e resgate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.