Argentina: polícia ocupa por 3 horas a Cablevisión

Policiais militares argentinos, a chamada Gendarmería, invadiram nesta terça-feira a sede da emissora de televisão Cablevisíon, em Buenos Aires, e permaneceram no local por três horas, informa o site do jornal Clarín, que faz parte do mesmo grupo do canal de televisão.

EQUIPE AE, Agência Estado

20 de dezembro de 2011 | 15h58

Mais de 50 policiais chegaram ao local por volta das 10h com uma ordem emitida pela Justiça de Mendonza, que teve como base uma denúncia aberta pelo grupo Vila-Manzano, aliado do governo da presidente Cristina Kirchner. A Cablevisíon não atua em Mendonza. Segundo o jornal, o juiz que permitiu a ação, Walter Bento, designou um interventor para a emissora de televisão por assinatura.

A ação parece ser mais um episódio na escalada das disputas entre governo e as empresas de comunicação Grupo Clarín e jornal La Nación, por causa do fornecimento de papel jornal. O governo usa sua participação acionária na Papel Prensa, única fornecedora de papel jornal do país, para tentar dominar a oposição do Clarín e do La Nación.

Os policiais chegaram ao local junto com funcionários e câmeras do programa 6-7-8, da emissora pública de televisão, informa o site. Funcionários judiciais e policiais militares deixaram o prédio da emissora, no bairro de Barracas, quando os advogados da empresa citaram o fato de não terem jurisdição para invadir o local, afirma o site do Clarín.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.