Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Argentina quer mudar política com o Reino Unido

O governo argentino "endurecerá" sua política com o Reino Unido em torno da reivindicação de soberania das Ilhas Malvinas, segundo informações publicadas neste sábado pela imprensa do país sul-americano.Fontes oficiais disseram ao jornal La Nación que "o governo de Néstor Kirchner está decidido a modificar de forma drástica a política utilizada" até então, sem revelar a partir de quando o "endurecimento" poderá ser aplicado.A suposta mudança na política bilateral "consistiria em desmontar o chamado ´guarda-chuva da soberania´ sob o qual o governo de Carlos Menem (1989-1999) assinou com o Reino Unido uma série de acordos para pesca e prospecção de petróleo na região das Malvinas", acrescentou o jornal.Argentina e Reino Unido se enfrentaram em 1982 pelo domínio das Malvinas (Atlântico sul), ocupada pelos britânicos desde 1833, em uma guerra de 74 dias que terminou com a derrota do país sul-americano e na qual morreram 649 argentinos e 272 britânicos.O governo argentino reiterou em várias ocasiões o pedido de soberania sobre as ilhas e pediu ao Reino Unido que "mostre igual disposição".Petróleo Durante uma sessão do Comitê de Descolonização da Organização das Nações Unidas (ONU), realizada este mês, a Argentina se queixou das prospecções petrolíferas dos britânicos e das adjudicações de licenças para prospecção e exploração de minerais.A Argentina também protestou diante das tentativas do Reino Unido de representar as ilhas em organismos internacionais, além da venda de licenças ilegítimas de pesca e da outorga de direitos de propriedade sobre recursos pesqueiros por um período de 25 anos."O que vem é uma briga muito forte pela pesca e petróleo", reconheceram fontes diplomáticas argentinas ao jornal "Clarín", referindo-se às reformas que a Argentina aplicará em sua política com o Reino Unido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.