Argentina reconhece Estado palestino

Decisão segue postura brasileira; vice-chanceler uruguaio diz que o país deve fazer o mesmo em 2011

Marina Guimarães, da Agência Estado

06 de dezembro de 2010 | 14h54

BUENOS AIRES - O governo da Argentina anunciou nesta segunda-feira, 6, sua decisão de reconhecer a Palestina como Estado independente. O vice-ministro de relações Exteriores do Uruguai, Roberto Conde, disse que o país deve fazer o mesmo em 2011. 

 

Veja também:

blogRadar Global: Leia as cartas de Lula e Abbas

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

Segundo o chanceler Héctor Timermann, "a Argentina compartilha com seus sócios do Mercosul - Brasil, Paraguai e Uruguai - que é chegado o momento de reconhecer o Estado da Palestina como Estado livre, com o objetivo de favorecer a solução do conflito no Oriente Médio".

 

Em anúncio realizado à imprensa nesta segunda, Timermann ressaltou ainda que o reconhecimento à Palestina não implica uma inimizade com Israel. "A Argentina ratifica o direito de Israel de ser reconhecido por todos e de viver em paz e reafirma a amizade e a vigência do acordo comercial entre o Mercosul e Israel."

 

Em Montevidéu, Conde disse que o governo do presidente José Mujica pretende abrir uma representação diplomática em Ramallah. "Creio que o Uruguai seguramente vai seguir os passos argentinos em 2011", disse.

 

A chancelaria israelense, por sua vez, qualificou a decisão argentina de lamentável. " Isto não ajudará em nada para mudar a situação entre Israel e os palestinos. É uma declaração decepcionante que vai contra os acordos entre Israel e os palestinos e contra as negociações de paz", afirmou, segundo a AFP.

 

A decisão argentina ocorre dias após o Brasil tomar a mesma decisão. Na sexta-feira, o Itamaraty anunciou que o governo brasileiro reconheceu o Estado palestino nas fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967. O pedido havia sido feito pelo presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva em carta datada do dia 24 de novembro..

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.