Argentina se queixa ao Irã por ameaças a promotor

A Chancelaria da Argentina expressou ao encarregado de negócios do Irã no país sua preocupação diante das ameaças recebidas na França pelo promotor Alberto Nisman, informaram na segunda-feira fontes oficiais. Ele investiga o atentado cometido em 1994 contra uma associação judaica de Buenos Aires. O vice-chanceler argentino, Roberto García Moritán, conversou na sexta-feira com Moshen Baharvand, o mais alto funcionário iraniano no país, para discutir o incidente, acrescentaram as fontes.Na terça-feira da semana passada, o promotor Alberto Nismanreivindicou ao Secretariado Geral de Interpol, com sede em Lyon (França), o caráter prioritário para as ordens de captura de nove iranianos, determinadas no ano passado pelo juiz argentino Rodolfo Canicoba Corral.Entre os reivindicados pela justiça argentina pelo atentadocontra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), que causou 85 mortes, estão o ex-presidente iraniano Hashemi Rafsanjani e os ex-ministros de Relações Exteriores, Ali Akbar Velayati, e de Informação e Segurança, Ali Fallahijan.Nisman disse ter sido "amedrontado" pela delegação iraniana. Ao voltar a Buenos Aires, decidiu comunicar o incidente à Chancelaria.Segundo a investigação de Nisman, o ataque à Amia, em 18 de julho de 1994, atendeu a uma decisão do governo do Irã, que "encomendou" ao grupo terrorista islâmico Hezbollah "a organização do atentado".A tensão nas relações entre Argentina e o Irã, restringidas a seus encarregados de negócios, voltou a subir a partir das ordens de captura decretadas pelo juiz argentino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.