Argentina: suspeita de matar governador sob custódia

A esposa do governador da província argentina de Río Negro, Carlos Soria, está sob custódia policial na casa de parentes e passará por uma avaliação psiquiátrica na próxima semana. A informação partiu do juiz Juan Pablo Chirinos, que nesta terça-feira fez comentários sobre a morte de Soria, que ocorreu na madrugada de domingo na chácara do governador e da sua mulher, Susana Freydoz. Ela é a única suspeita de ter matado o governador com um tiro na cabeça.

EQUIPE AE, Agência Estado

03 de janeiro de 2012 | 18h43

Chirinos disse que no momento "a investigação não descarta nenhuma hipótese" e que "até agora, a pior hipótese é a de um homicídio doloso". O juiz afirmou que nesta terça-feira e amanhã serão tomados os depoimentos da filha do casal, Emilia, do genro e de dois caseiros que estavam no sítio, perto da cidade de General Roca, quando Soria foi morto.

Chirinos disse que a autópsia do corpo de Soria "não deu conclusões definitivas sobre a distância do disparo, mas sim sobre a causa da morte, que foi uma ferida de bala que provocou o edema cerebral". As informações são da agência de notícias Telam, do governo argentino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.