Argentina suspende acordo com Grã-Bretanha nas Malvinas

Menos de uma semana antes do vigésimo-quinto aniversário da invasão argentina às ilhas Malvinas, ocorrida em 1982, o governo do presidente Néstor Kirchner anunciou nesta terça-feira a suspensão de um acordo com a Grã-Bretanha de exploração de hidrocarbonetos na área do arquipélago em disputa. O chanceler Jorge Taiana colocou a culpa em Londres, acusando o governo britânico de lançamento unilateral de uma licitação pública na área em conflito. Segundo Taiana, a área é parte da "plataforma continental argentina". O chanceler sustentou que o governo Kirchner tenta ter um "diálogo aberto" com a Grã-Bretanha sobre a soberania das Malvinas. Mas, lamentou que os britânicos são "persistentemente intransigentes".A Argentina ocupou as Malvinas durante 13 anos, entre 1820 e 1833. A Grã-Bretanha está lá há 174 anos. Os argentinos incluem as ilhas em seus mapas como próprias e até denominam a capital das Malvinas, Port Stanley como "Puerto Argentino".A Argentina invadiu as Malvinas em 2 de abril de 1982, em uma guerra com a Grã-Bretanha que durou até 14 de junho daquele ano. O conflito terminou com a derrota argentina, o que levou à queda da Junta Militar Argentina e à restauração da democracia no ano seguinte. Cerca de 1.400 soldados morreram em combate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.