Argentina vai apoiar Brasil na Alca

Apesar da séria crise econômica e dos conflitos tarifários noMercosul, não há qualquer indicação de que a Argentina buscará um acordo bilateral com os Estados Unidos ou deixará deapoiar o Brasil nas negociações para a criação da Alca, que começaram efetivamente nesta terça-feira.A afirmação é de Félix Peña,ex-secretário de Comércio Exterior da Argentina e diretor do Instituto de Economia Internacional da Fundação BankBoston.Paraele, a possibilidade de a Argentina buscar um entendimento com os Estados Unidos sempre deve ser cogitada, "mas nadaindica essa tendência, ao contrário. O ministro (Domingo) Cavallo (da Economia) está comprometido com o Mercosul", afirmou.Na avaliação de Peña, a atual crise não é a pior já enfrentada pelo Mercosul, mas sim aquela que resultou da desvalorizaçãodo real em janeiro de 1999. "Se conseguimos superar todas elas, também sobreviveremos a esta", destacou o ex-secretáriodurante o seminário internacional "O Continente Americano e o Futuro das Integrações Regionais".Depois de ter participado ativamente das negociações de vários contenciosos entre Brasil e Argentina no segundo mandato dopresidente Carlos Menen, Peña diz ter experiência suficiente para afirmar que o aliado estratégico da Argentina é o Brasil, masdestacou que a Argentina também é muito amiga dos Estados Unidos ? o principal conflito de posições entre Brasil e EUA nasnegociações para a Alca é a proposta norte-americana de antecipar o cronograma de implementação da área.Félix Peña disse que a alteração "temporária" da Tec proposta pela Argentina é permitida nas regras do Mercosul, masdefendeu a adoção de medidas para "flexibilizar" as regras de comércio do bloco que permitam achar formas de os países nãoquebrarem o acordo em situações de emergência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.