Argentinos aplicavam golpe em salas de ministério

A segurança do Ministério de Economia da Argentina foi burlada por três homens que utilizavam os escritórios do palácio da Fazenda para extorquir investidores e empresários com supostas compras de dólares. Os bandidos foram detidos pela polícia na tarde de quinta-feira, mas o caso já estava sendo investigado há tempos, e estima-se que desde outubro do ano passado até ontem, as extorsões acumuladas chegaram à 1,2 bilhão de pesos.O assunto mereceu a preocupação do ministro Roberto Lavagna, quem se comunicou várias vezes com a polícia para ouvir toda a história, pessoalmente, segundo informações do delegado Mario Ferreyra, responsável pelo caso. Os homens atraíam compradores de dólares com uma cotação melhor que a oferecida pelo mercado e combinavam de encontrar com a vítima no hall da sede dos bancos Nación ou Província, localizados quase em frente ao edifício do ministério de Economia.Por tratar-se de operação de grandes cifras, os bandidos argumentavam que a mesma deveria ser realizada em um lugar mais seguro, e levavam o investidor para uma das salas do ministério de Economia. Instalados na sala, dois homens pegavam os pesos e deixavam a sala para "buscar" os dólares e nunca voltaram. Com a demora da volta de seus colegas de extorsão, o terceiro homem se ausentava da sala para "ver o que estava ocorrendo" e tampouco regressava.Os detalhes da operação de extorsão foram fornecidos pela polícia que só não soube explicar como os bandidos entravam e saiam do ministério, apesar do rigoroso sistema de controle de identificação do local, pelo qual passam todos os visitantes e, inclusive, atrasa a entrada dos jornalistas em dias de entrevistas coletivas. Nem a polícia, nem o ministério souberam explicar também como os bandidos podiam usar uma das salas do edifício.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.