Argentinos comemoram renúncia de De la Rúa

Grupos de manifestantes festejaram em diversos pontos de Buenos Aires após o anúncio de que o presidente Fernando de la Rúa renunciara. Houve buzinaços e muitos atos de protesto acabaram virando comemoração.Com entusiasmo, os canais de TV chamaram a rebelião popular de ?El Argentinazo? (o argentinaço) e transmitiram várias vezes o hino nacional.No meio do caos, os transportes entraram em greve às 18h00 de Buenos Aires. Além disso, a Confederação Geral do Trabalho (CGT) dissidente anunciou que a partir desta sexta-feira começa uma greve geral por tempo indeterminado.País erradoIgnacio De Mendiguren, presidente da União Industrial Argentina (UIA), criticou De la Rúa e a paridade cambial instituída por Domingo Cavallo. ?O país estava errado. Éramos os únicos a insistir em um modelo que mais ninguém queria?, disse, comemorando a queda do presidente e seu superministro.Rosendo Fraga, um dos nomes mais respeitados na Argentina, disse que o estopim da renúncia de Cavallo foram as mobilizações espontâneas - inéditas - da classe média.Ele lembrou também que ?nenhum presidente argentino foi tão fraco somente com dois anos de mandato. "Nem Raúl Alfonsín, em seu pior momento ? o da hiperinflação de 1989 - nem Carlos Menem, que no fim de seu mandato tinha 18% de popularidade, comparam-se a De la Rúa, que tem somente 4% de imagem positiva?, comparou.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.