Argentinos de origem muçulmana são obrigados a deixar avião

Um homem e duas mulheres argentinasde origem muçulmana foram obrigados hoje a descer de umavião da companhia alemã Lufthansa, depois de o piloto negar-sea decolar a aeronave pousada no aeroporto de Santiago por razõesde segurança, após os atentados realizados nos Estados Unidos. Vestindo os trajes típicos das mulheres muçulmanas, mãe efilha mostraram-se indignadas e protestaram pela discriminaçãoda qual disseram ter sido alvo e anunciaram a abertura deprocessos contra a companhia européia. A Lufthansa suspendeu o vôo com destino a Frankfurt e escalaem Buenos Aires e explicou que seu piloto agiu motivado porrazões de segurança e descartou motivos raciais ou religiosos. "Isto não vai ficar assim. Fomos alvo de totaldiscriminação", disseram, visivelmente irritadas, minutos antesde partirem esta tarde rumo à capital argentina em um vôo daLanChile. Uma das mulheres contou que já estava dentro do avião quandoseu genro foi chamado e o comandante pediu aos três queabandonassem a aeronave.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.