Argentinos desafiam estado de sítio

Dezenas de Milhares de pessoas saíram às ruas na madrugada desta quinta-feira para protestar contra o governo argentino, desobedecendo o estado de sítio decretado horas antes pelo presidente Fernando De la Rua. As manifestações, aparentemente originadas espontaneamente, tomaram conta das ruas da capital argentina depois do pronunciamento do presidente na TV. Logo formou-se um "panelaço" e um "buzinaço", enquanto uma multidão se aglomerava na histórica Plaza de Mayo, em frente à Casa Rosada, a sede do governo. Uma hora após o início da mobilização, a polícia começou a reprimir o protesto com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. A esta altura, já era divulgado o pedido de renúncia do ministro da Economia, Domingo Cavallo, e de todo o gabinete.A agência AP informou que vários carros de bombeiros tentavam controlar um incêndio na sede do ministério da Economia. O fogo teria começado logo após manifestantes atirarem pedras e quebrar os vidros do edifício.O estado de sítio na Argentina foi decretado depois dos distúrbios desta quarta-feira, quando uma onda de saques tomou conta das principais cidades do país. Pelo menos quatro pessoas morreram nos confrontos com a polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.