Argentinos e imigrantes entram em confronto em Buenos Aires

Choque com sem-terra que ocupam terrenos na capital já deixou quatro mortos.

Marcia Carmo, BBC

14 de dezembro de 2010 | 01h09

Argentinos atacam prédio do governo em Buenos Aires

Argentinos contrários à ocupação de terras por estrangeiros voltaram a provocar distúrbios nesta segunda-feira na periferia da capital Buenos Aires, em um confronto que já dura quase uma semana e deixou quatro mortos.

Jovens com rostos cobertos jogaram paus e pedras contra os ocupantes das terras, na localidade de Vila Lugano, formado principalmente por bolivianos, mas também por argentinos locais, segundo as emissoras de televisão locais, como a TN (Todo Noticias).

Os sem-terra que estavam em um dos terrenos reagiram, devolvendo pedradas. "É uma batalha campal", definiu uma testemunha na TV.

O terreno pertence a um time de futebol - Clube de Lugano - e foi um dos três locais ocupados, que incluiu também um frigorífico abandonado. Cerca de 5 mil pessoas vivem nessas áreas.

A tensão começou há cerca de uma semana quando os primeiros confrontos entre moradores das redondezas teriam reagido contra a ocupação do Parque Indoamericano, no bairro de Villa Soldati, na zona sul da capital argentina.

"Confirmamos a morte de uma terceira pessoa boliviana nos distúrbios que ocorreram na Vila Soldati", disse o presidente da Associação Civil Federativa Boliviana, Alfredo Amoraga à uma rádio local.

Autoridades da área de segurança já tinham confirmado três mortes (dois bolivianos e um paraguaio), além de outros internados em estado grave, na semana passada.

'Apoio'

Moradores disseram ao vivo à rede de TV, na noite desta segunda, que estavam saindo de suas casas, em outros bairros, para "apoiar os argentinos que são contra a invasão de estrangeiros".

O padre Franco Punturo, da Villa 20, comunidade carente próximo aos locais onde ocorreram os distúrbios, disse que imigrantes dos países vizinhos como bolivianos, paraguaios e peruanos, chegam em Buenos Aires esperando o "eldorado" mas acabam trabalhando em condições precárias e por isso, disse, estariam entre os "sem teto".

Num pronunciamento, o prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, pediu "diálogo" com o governo central, responsável pela segurança nos terrenos federais.

Por sua vez, o ministro chefe da Casa Civil, Aníbal Fernández, afirmou que "interesses políticos" estariam "por trás" dos distúrbios.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.