Argentinos fecham passagem fronteiriça com o Uruguai

Moradores da província argentina de Entre Ríos decidiram bloquear a partir de amanhã uma passagem fronteiriça com o Uruguai, em rejeição ao possível crédito do Banco Mundial à empresa finlandesa Botnia para a construção de uma fábrica de celulose nesse país.Milhares de habitantes da cidade argentina de Gualeguaychú resolveram iniciar o bloqueio "por tempo indeterminado" durante uma assembléia no Puente Internacional San Martín, que une a localidade com a uruguaia Fray Bentos, onde a Botnia constrói uma fábrica de celulose à beira do rio Uruguai, limite natural entre ambos os países.Por causa da reunião da Assembléia Ambiental de Gualeguaychú, a passagem fronteiriça - uma das três que ligam a Argentina ao Uruguai - foi bloqueada por mais de quatro horas.Prejuízo ao meio ambienteUm grupo de participantes da assembléia, que considera que a fábrica de celulose é prejudicial para o meio ambiente, permanecerá esta noite na estrada que leva à passagem, e partir desta segunda-feira, às 14h (15h em Brasília), iniciará o bloqueio."Queremos mostrar ao Banco Mundial nossa desaprovação ao empréstimo que pode ser feito pela Botnia e que vai gerar um prejuízo enorme", disse à EFE a secretária da assembléia, Marta Gorosperrazu.Tanto os participantes da assembléia como o Governo argentino acreditam que a entidade financeira finalmente dará o empréstimo à empresa, para que ela conclua a fábrica de celulose.O governador da província de Entre Ríos, Jorge Busti, afirmou que "o lobby da Botnia é muito forte", além de dizer que não se surpreende (com esta decisão), "porque o Banco Mundial já financiou guerras".O projeto de construção desta fábrica de celulose gerou o pior conflito das últimas décadas entre a Argentina, que considera que a empresa contaminará o meio ambiente, e o Uruguai, que rejeita essa possibilidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.