Argentinos poderão enviar tropas ao Afeganistão

Antes do fim deste ano tropas argentinas estariam desembarcando em território afegão para participar em missões humanitárias sob o comando da ONU. A informação circulou extra-oficialmente hoje em Buenos Aires.A missão argentina consistiria em um hospital ambulante que está sendo preparado pela Força Aérea. Este hospital já foi utilizado pelos argentinos na missão em Kossovo.O ministro da Defesa, Horacio Jaunarena, sustentou que ainda não existe um pedido oficial da ONU para o envio de tropas argentinas, e que por isso não há uma data definida para o envio ao Afeganistão.No entanto, o presidente Fernando de la Rúa, durante uma reunião com a cúpula do Exército, afirmou que a Argentina enviará tropas para aquele país. O general Ricardo Brinzoni, chefe do estado-maior do Exército, sustentou a De la Rúa que está pronta para enviar militares a qualquer parte do mundo.A definição desta situação será elucidada na segunda-feira, quando chegarão a Buenos Aires representantes da ONU, especializados em missões de paz. O chefe da missão, Gerard Ganz visitará o centro de treinamento para missões de paz, em Campo de Mayo.Na semana que vem também passará por Buenos Aires o chefe do Exército dos EUA, general Erik Shinseki, fato que aumentou a especulação sobre o envio de tropas argentinas para o cenário afegão.A Argentina é um dos países latino-americanos com mais experiência neste tipo de operações, já que um terço de seus oficiais e sub-oficiais participaram de missões da ONU na última década.Em 1991, a Argentina participou da Guerra do Golfo com o envio de navios de guerra. Os navios realizaram somente ações de patrulhamento marítimo, e não entraram no cenário de guerra. Posteriormente, o país tornou-se aliado extra-OTAN dos Estados Unidos.Além do hospital ambulante com uma equipe de 40 médicos e enfermeiros militares, a Argentina também enviaria um batalhão de infantaria mecanizada leve. Estas tropas serviriam como proteção ao corpo médico, tendo em vista o alto risco de vida no território afegão. As tropas somente seriam utilizadas para defesa, e não para ataques.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.