Argentinos rejeitam participar de campanha antiterrorista

Uma pesquisa mundial do instituto Gallup divulgada nesta quarta-feira indica que a Argentina é, entre os quatro países latino-americanos incluídos na sondagem, o que registra a mais alta porcentagem de rejeição à idéia de acompanhar os EUA em uma ação bélica antiterrorista.Quase oito de cada dez argentinos, de um total de 419 entrevistados pelo Gallup, responderam negativamente à pergunta sobre se estariam de acordo com a participação de seu país em ações militares, ao lado dos EUA, em represália aos atentados terroristas de 11 de setembro em Nova York e Washington. No Peru, 46% dos entrevistados disseram-se favoráveis a acompanhar os EUA, assim como 35% dos equatorianos e 21% dos mexicanos. Na Argentina, a porcentagem foi de 20%. A pesquisa mundial do Gallup, divulgada por sua filial argentina e reproduzida pelo jornal La Nación, incluiu também 13 países europeus ocidentais, 7 da Europa Central e Oriental, 4 latino-americanos e outros seis Estados - entre os quais os EUA, Israel e Paquistão. Outra pergunta do Gallup foi se, uma vez conhecida a identidade dos terroristas, o governo americano deveria atacar o país onde se encontram ou pedir sua extradição. Os latino-americanos mais partidários de um pedido de extradição foram os mexicanos, com 94%, seguidos dos peruanos, com 89%, dos argentinos, com 84% e dos equatorianos, com 82%.O Gallup também perguntou em sua pesquisa se os EUA deveriam atacar apenas objetivos militares ou também civis. Os quatro países latino-americanos responderam, com uma média de 70%, que só os objetivos militares deveriam ser atacados. Argentina, México, Peru e Equador também consideraram, com uma margem superior a 70%, que os ataques terroristas contra os EUA conduzirão a uma crise econômica mundial. Segundo a pesquisa do Gallup, o país com maior proporção de apoio à decisão de acompanhar militarmente os EUA é a Dinamarca, com 80% dos consultados a favor, seguido de Grã-Bretanha, com 79%, Luxemburgo, com 74%, França, 73%, e Itália com 66%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.