Ariel Sharon é investigado em novo caso de corrupção

O procurador-geral de Israel, Elyakim Rubinstein, abriu investigação sobre um caso de corrupção em que o primeiro-ministro Ariel Sharon é suspeito de ter usado de seu poder para beneficiar amigos da família, que receberam pagamento elevado por terras expropriadas para a construção de uma estrada.O primeiro-ministro já está sendo investigado em dois outros casos: de ter obtido um empréstimo ilegal durante a campanha de 1999 para ser o candidato de seu partido, Likud, à chefia do governo; e de ter sido subornado por um empresário israelense para promover um projeto imobiliário na Grécia, quando era chanceler, nos anos 90. Ele nega envolvimento nos três casos.Se Sharon for indiciado, terá de renunciar ao cargo, mas analistas políticos acham improvável que isso aconteça. Mesmo que a promotoria pública e a polícia concluam que ele deva ser processado, Rubinstein tem poder de arquivar o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.