Cheney Orr/Reuters
Cheney Orr/Reuters

Arizona certifica resultados das eleições dando vitória a Biden e a senador democrata

Certificação abre caminho não apenas para Biden receber os 11 votos eleitorais no colégio eleitoral, mas também para que o democrata Mark Kelly se junte ao Senado dos EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2020 | 16h00

PHOENIX - A secretária de Estado do Arizona, Katie Hobbs, certificou os resultados das eleições nesta segunda-feira, 30, nomeando oficialmente Joe Biden como o vencedor do Estado e consolidando ainda mais sua vitória nacional sobre o presidente Donald Trump.

Hobbs, uma democrata, certificou a votação em todo o Estado na companhia de dois republicanos importantes, o governador Doug Ducey e o procurador-geral Mark Brnovich. Brnovich defendeu veementemente a integridade da eleição do Arizona contra as alegações de seu próprio partido de fraude generalizada, dizendo que seu escritório investigou e não encontrou nenhuma evidência.

“Esta eleição foi conduzida com transparência, precisão e justiça de acordo com as leis e procedimentos eleitorais do Arizona - apesar de inúmeras alegações infundadas em contrário”, disse Hobbs.

Ducey também disse que a eleição do Estado foi realizada de maneira adequada. “A pandemia e a covid-19 trouxeram novos desafios sem precedentes para o nosso Estado. Mas, como eu disse antes, fazemos eleições bem aqui no Arizona", disse ele." O sistema é forte, e é por isso que me orgulho tanto dele.”

A certificação abre caminho não apenas para Biden receber os 11 votos eleitorais do Estado, mas também para que o democrata Mark Kelly se junte ao Senado dos EUA. Kelly, que derrotou a atual senadora republicana Martha McSally em uma eleição especial em 3 de novembro, deve tomar posse na quarta-feira.

As disputas legais no Arizona ainda não acabaram. É um dos vários Estados que permitem que os resultados das eleições sejam contestados após a certificação.

Kelli Ward, presidente do Partido Republicano estadual, disse que pretende apresentar tal desafio. Ela já pediu a um tribunal que lhe permitisse começar a inspecionar cédulas e envelopes pelo correio, argumentando que a verificação deficiente de assinaturas pode ter permitido que votos fraudulentos fossem contados. Uma audiência sobre esse pedido estava em andamento enquanto Hobbs certificava os resultados.

No dia 24, Ducey, que estava relutante em declarar o democrata como vencedor, reconheceu que ele havia derrotado Trump "por pouco". “Confio no nosso sistema eleitoral. Existe integridade em nosso sistema eleitoral. Joe Biden ganhou no Arizona. Quaisquer contestações legais que vierem vão ser respondidas pelos tribunais”, afirmou Ducey, em entrevista à rádio KTAR, em Phoenix.

Na semana passada, os Estados de Nevada e Pensilvânia seguiram os passos de outros Estados considerados chave nas eleições presidenciais deste ano e também certificaram a vitória de Biden./Reuters e W. Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.