Armas atômicas do Paquistão estão seguras, diz governo

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, insistiu que o arsenal nuclear de seu país está sob estrito controle e "não cairá nas mãos erradas". A declaração veio à tona depois de funcionários do governo terem comentado que uma ajuda militar de US$ 3 bilhões oferecida pelos Estados Unidos depende, em parte, de o Paquistão não exportar tecnologia nuclear. "O Paquistão nunca proliferará" seus arsenais, garantiu o presidente em discurso a cientistas, numa faculdade nos arredores de Islamabad, citado pela agência de notícias do governo. "O potencial nuclear do Paquistão está sob controle muito estrito", prosseguiu. De acordo com ele, o Paquistão adotou "todas as medidas necessárias para evitar a proliferação nuclear e impedir que esses bens estratégicos caiam em mãos erradas". Ainda nesta segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão negou que Islamabad tenha compartilhado tecnologia nuclear com a Coréia do Norte. Musharraf reuniu-se com o presidente dos EUA, George W. Bush, em 24 de junho, antes de obter um pacote de ajuda econômica e militar de US$ 3 bilhões. No último sábado, funcionários paquistaneses disseram que a liberação do dinheiro depende de o Paquistão continuar ativo na guerra americana contra o terrorismo e não exportar tecnologia nuclear. Parlamentares de oposição acusaram Musharraf de reduzir a importância do programa nuclear apenas para conseguir a ajuda americana. Musharraf, por sua vez, disse que o Paquistão manterá seu programa de armas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.