Nicky Loh/Reuters
Nicky Loh/Reuters

Armas dos EUA podem garantir apoio ao presidente de Taiwan

Mesmo com irritação dos chineses, Ma Ying-jeou deve ganhar força interna para eleições parlamentares

Reuters,

01 de fevereiro de 2010 | 13h03

A venda de armamentos dos EUA para Taiwan pode ser benéfica à popularidade do presidente Ma Ying-jeou e fazer com que ele tenha mais autoridade ao lidar com o governo da China.

 

O governo chinês criticou duramente o governo de Barack Obama por ter fornecido armas para a ilha independente que Pequim diz ser uma província renegada, dizendo que imporia sanções não especificadas para todas as empresas envolvidas.

 

O presidente de Taiwan chegou ao poder em 2008 por apoiar uma aproximação com a China após as relações com o partido pró-independência se deterioraram. Ying-jeou fez acordos com o país, abriu pontes aéreas diretas e passou a receber turistas.

 

Mas com o pacote de US$ 6,4 bilhões de armas americanas como os mísseis Patriot foi a resposta para seus rivais em Taiwan que o criticavam por manter relações muito próximas com Pequim.

 

"Isso dará algum crédito a Ying-jeou, embora isso possa ser limitado", disse Hsu Yung-ming, cientista político da Universidade Soochow. "Ele ainda volta sua atenção para assuntos internos", disse.

 

A popularidade do presidente caiu nos últimos seis meses por conta de assuntos internos, como a resposta demorada para os estragos causados por um furacão em agosto e pela sanção imposta pelos EUA sobre produtos bovinos por conta de da doença da vaca louca. Analistas dizem que a compra de armas pode conceder-lhe apoio para as eleições parlamentares do fim de fevereiro.

 

Pequim proclama sua soberania sobre Taiwan desde 1949, quando as forças de Mao Tse Tung venceram a guerra civil chinesa e o partido de Chiang Kai-shek fugiu para a ilha. Desde de então, os chineses ameaçam atacar se Taiwan tentar formalizar sua independência.

 

Os EUA passaram a reconhecer Taiwan como parte da China em 1979, mas permanece como o maior aliado da ilha e é obrigado a vender armas para os taiwaneses pelo Ato de Relações de Taiwan.

Tudo o que sabemos sobre:
TaiwanChinaarmasEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.