Armas químicas começam a ser destruídas na Síria

Missão internacional está em Damasco sob os termos da resolução da ONU garantida por acordo entre EUA e Rússia

AE, Agência Estado

06 de outubro de 2013 | 14h52

Uma equipe de especialistas em desarmamento iniciou o processo de destruição de armas químicas e de maquinário de produção na Síria neste domingo, 6,  informou uma fonte presente na missão internacional.

Segundo a fonte, membros da equipe das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas "se encaminharam para o local onde vão iniciar a verificação e destruição." A equipe de inspetores chegou a Damasco na terça-feira para iniciar o processo de verificação detalhada do programa de desenvolvimento de armas químicas do governo sírio.

A equipe está na Síria sob os termos da resolução da ONU garantida pelo acordo entre os EUA e Rússia para que o regime do presidente Bashar Assad entregue suas armas químicas para destruição. Pela resolução da ONU, o arsenal de armas químicas da Síria será destruído até meados de 2014.

 

A pressão sobre a Síria cresceu após o ataque com gás sarin na periferia de Damasco, no dia 21 de agosto. Americanos, europeus, ONGs e países da região acusam o governo Assad de ter cometido o crime, que deixou mais de mil mortos. Do outro lado, a Síria e a Rússia - sua principal aliada entre as grandes potências - culpam os rebeldes, que estariam tentando culpar o regime sírio.

 

Em resposta à tragédia, os EUA, juntamente com a França, iniciaram preparativos para lançar uma operação militar contra alvos sírios. A ofensiva foi suspensa após Washington ter aceitado um acordo, sob mediação da Rússia, segundo o qual o governo de Assad reconheceria oficialmente a posse do arsenal e abriria mão de suas armas químicas.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaarmas químicasdestruição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.