Foto: Ministério da Defesa da Armênia/AFP
Foto: Ministério da Defesa da Armênia/AFP

Armênia registra morte de 32 soldados em combate com Azerbaijão

O Ministério da Defesa do Azerbaijão culpou a Armênia pelos novos conflitos, afirmando que estava respondendo aos ataques do opositor na região de Nagorno-Karabakh

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 04h07

Pelo menos 32 soldados armênios foram mortos em confronto na região de Nagorno-Karabakh contra as tropas do Azerbaijão, neste domingo, 27.

O governo da Armênia declarou lei marcial após um confronto com forças militares do Azerbaijão neste domingo, 27. Pelo Twitter, o primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan, pediu que as tropas se apresentassem em seus distritos e publicou a seguinte mensagem: "Pela pátria, pela vitória".

O Ministério da Defesa do Azerbaijão culpou a Armênia pelos novos conflitos, afirmando que estava respondendo aos ataques do opositor na região, que fica dentro do Azerbaijão, mas está sob o controle de forças étnicas armênias apoiadas pela Armênia desde 1994, ao final de uma guerra separatista.

Armênia e Azerbaijão vivem tensões por disputas étnicas e territoriais desde o fim da União Soviética, em 1991. À época, Nagorno-Karabakh proclamou de maneira unilateral sua independência com o apoio armênio, iniciando uma guerra com o Azerbaijão que matou cerca de 30 mil pessoas. Com informações da AFP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.